A administração de condomínios está relacionada à conveniência, comodidade e bem estar.

Com a crescente verticalização das moradias no Brasil, inclusive com a crescente violência que assola nosso País, viver em condomínios verticais e horizontais passou a ser uma tendência natural.

Na atualidade tornou-se complexo administrar condomínios, dada a amplitude dos problemas que fazem parte da sua rotina diária.

A terceirização dos serviços passou a ser necessária para minimizar os problemas, exigindo maior profissionalização do administrador.

A empresa que administra condomínios poderá administrar condomínios residenciais, comerciais ou industriais, tendo como serviços envolvidos na sua atividade administração, contabilidade, assessoria jurídica, auditoria, consultoria financeira, tributária, fiscal, trabalhista, contábil e gestão de conflitos.

Para constituir a empresa, o empreendedor deverá contratar um escritório de contabilidade para elaborar os atos constitutivos e auxiliá-lo na escolha da forma jurídica mais adequada.

Para concorrer no mercado, o administrador de condomínios deverá oferecer serviços de qualidade, diferenciando-se no atendimento, estar atento às questões de divulgação, planejamento e procurar contratar uma boa assessoria contábil tributária.

A Adição Contábil oferece ao empresário cuidar da assessoria contábil, buscando a melhor forma de conduzir toda a burocracia inerente às Corretoras de Seguros e profissionais autônomos, procurando o melhor enquadramento tributário, visando a redução da carga tributária.

A Administradora de Condomínios poderá optar pela tributação com base no Lucro Presumido, Lucro Real e Simples Nacional.

LUCRO PRESUMIDO

O Lucro Presumido é a forma de tributação simplificada do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro (CSLL), regulamentada pelos artigos 516 e 528 do Regulamento do Imposto de Renda.

A alíquota do imposto de renda é de 15% (quinze por cento) e a CSLL é de 9% (nove por cento) sobre o Lucro Presumido. O Lucro Presumido é de 32% para IRPJ e 32% para CSLL sobre o faturamento bruto.

Haverá um adicional de imposto de renda pela alíquota de 10% quando a parcela do lucro presumido exceder ao valor resultante da multiplicação de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) pelo número de meses do respectivo período de apuração, ou seja, R$ 60.000,00 (sessenta mil reais) no trimestre.

DEMONSTRATIVO DE TRIBUTAÇÃO COM BASE NO LUCRO PRESUMIDO

Tributo Tributos (Base cálculo IRPJ 32% e CSLL 32% sobre faturamento)
IRPJ 4,8%
Adicional IRPJ¹ Até 3,15%
CSLL 2,88%
PIS e COFINS 3,65%
TOTAL 14,48%

¹ O Adicional de Imposto de Renda incide sobre a parcela do Lucro Presumido que exceder a R$ 60.000,00 no trimestre.

 “ESCRITURAÇÃO

A pessoa jurídica que optar pela tributação com base no Lucro Presumido deverá manter:

  1. Escrituração contábil nos termos da legislação comercial ou Livro Caixa, no qual deverá estar escriturado toda a movimentação financeira, inclusive bancária;
  2. Livro Registro de Inventário no qual deverão constar registrados os estoques existentes no término do ano-calendário abrangido pelo regime de tributação simplificada; e
  3. Livro de Apuração do Lucro Real, quando tiver lucros diferidos de períodos de apuração anteriores, inclusive saldo de lucro inflacionário a tributar.” (Fonte: Receita Federal)

A Adição Contábil tem uma equipe de contadores para realizar a escrituração contábil de sua empresa, de acordo com as normas contábeis, fiscais e comerciais.

LUCRO REAL

Há possibilidade de tributar a Administradora com base no Lucro Real e a Adição Contábil está preparada para atendê-lo caso opte por esse regime de tributação. Em seu quadro há profissionais altamente qualificados para escrituração contábil com a finalidade de apuração do imposto de renda com base no lucro real.

Lucro Real é a base de cálculo do imposto sobre a renda apurada segundo registros contábeis e fiscais efetuados sistematicamente de acordo com as leis comerciais e fiscais.

Lucros Distribuídos

Os lucros ou dividendos calculados com base nos resultados apurados, pagos ou creditados pela pessoa jurídica tributada com base no lucro presumido ou lucro real, não estão sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte, nem integrarão a base de cálculo do imposto de renda do beneficiário, pessoa física ou jurídica, domiciliado no País ou no exterior (Lei n° 9.249, de 1995).

Essa isenção não abrange os valores pagos a outro título, tais como pró labore, aluguéis e serviços prestados, que sujeitam-se à incidência do imposto de renda na fonte e na declaração de rendimentos dos beneficiários.